Papa pede que direitos humanos sejam eixo das ações políticas

Agência Brasil

O papa Francisco (Foto: Divulgação)

O papa Francisco fez nesta segunda-feira (10), data em que se recorda os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, um “apelo sincero” para que todos os que tenham responsabilidades institucionais façam dos direitos humanos o centro das ações políticas, em um momento em que o tema é,

segundo ele, continuamente ignorado.

“Desejo, nesta ocasião, dirigir um forte apelo a todos os que têm responsabilidades institucionais, para que coloquem os direitos humanos no centro de todas as políticas, incluindo as de cooperação para o

desenvolvimento, mesmo quando isso signifique ir contracorrente”, armou o pontífice na mensagem que escreveu para abrir a conferência internacional sobre o tema organizada pela Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma, e que foi lida pelo cardeal Peter Appiah Turkson, presidente do Pontifício

Conselho Justiça e Paz do Vaticano.

No texto, Francisco armou que “várias contradições” são vistas diariamente e que isso gera a pergunta de que se de fato “a igual dignidade de todos os seres humanos, solenemente proclamada há 70 anos, é reconhecida, respeitada, protegida e promovida em todas as circunstâncias”.

Conforme ressaltou, existem atualmente muitas formas de injustiça, “alimentadas por visões antropológicas redutivas e por um modelo econômico baseado no lucro, que não hesita em explorar, descartar e até matar o homem”. E defendeu: “enquanto uma parte da humanidade vive em opulência,

outra parte vê sua própria dignidade renegada, desprezada ou pisoteada e seus direitos fundamentais ignorados ou violados”.

O papa lembrou ainda todos os que vivem “em um clima dominado pela desconfiança e pelo desprezo, que são submetidos a atos de intolerância, discriminação e violência por causa de sua raça, etnia, acionalidade ou religião”, enquanto alguns “enriquecem com o preço do sangue” desses indivíduos.

“Por isso somos todos chamados a contribuir para o respeito aos direitos fundamentais de cada pessoa, especialmente das invisíveis: que têm fome e sede, que estão nuas ou doentes, estrangeiras ou prisioneiras, que vivem à margem da sociedade ou são descartadas”, aconselhou.

Banner Lateral (1)
ouça online
Banner Lateral (2)